terça-feira, 30 de outubro de 2012

Crianças que recebem mais carinho, se desenvolvem melhor.

0 comentários

Contém criação com apego...carinho e muito amor


O impacto do amor


Criança que não recebe carinho da mãe pode ter cérebro menor e menos desenvolvido


A forma como o bebê é tratado pela mãe nos seus primeiros anos de vida poderá determinar se seu cérebro terá um bom funcionamento. Uma pesquisa da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) comparou os cérebros de duas crianças de três anos de idade: de um lado, bem tratada por seus familiares, principalmente pela mãe; e de outro, negligenciada. O resultado da pesquisa mostrou que no caso da mãe que deu amor, carinho e se comportou como totalmente responsável pelo bebê, o cérebro dele cresceu plenamente. Enquanto que no caso oposto, quando a criança sofreu abuso ou foi maltratada, o cérebro mostrou-se menor e com pontos mais escuros, indicando que é menos desenvolvido.
— O desenvolvimento do circuito cerebral depende potencialmente de uma interação positiva entre a mãe e o bebê — apontou o professor do Departamento de Psiquiatria e Ciências Comportamentais da UCLA, Allan Schore, ao jornal britânico “The Telegraph”.
De acordo Schore, isto ocorre porque 80% das células cerebrais se desenvolvem na faixa dos 2 anos de idade, e se o processo de formação de conexões (sinapses) for prejudicado ou não for estimulado, o déficit poderá ser permanente. Ele ressalta que o bebê maltratado poderá ter sua inteligência afetada. Além disso, poderá crescer com menos empatia para com outras pessoas, mais propensão a ser viciado em drogas e a se envolver em crimes violentos. Ele ainda terá mais chances de ficar desempregado com frequência e de ter problemas de saúde e mentais. Esta descoberta, segundo o pesquisador, poderia ser um dos fatores a explicar, por exemplo, por que algumas gerações de famílias tendem a enfrentar um ciclo difícil de quebrar de falta de escolaridade, desemprego persistente, pobreza, vícios como o de álcool e drogas, assim como o envolvimento em crimes.
Maior risco de ansiedade e depressão
Em janeiro deste ano, a Escola de Medicina da Universidade de Washington publicou o primeiro estudo mostrando mudanças na anatomia cerebral no caso de crianças que tinham sido negligenciadas por seus pais. A pesquisa, publicada no periódico “Proceedings of the National Academy of Sciences” (Pnas), apontou que crianças que foram bem cuidadas por suas mães nos primeiros anos de vida tinham o hipocampo do cérebro maior. Essa estrutura é fundamental para o aprendizado, a memória e a resposta ao estresse. Neste estudo, os pesquisadores analisaram as imagens dos cérebros de 92 crianças, revelando que aquelas que tinham recebido afeto e sido bem alimentadas tinham o hipocampo 10% maior que as crianças cujas mães tinham sido negligentes.
Chefe da psiquiatria infantil da Santa Casa do Rio de Janeiro, Fábio Barbirato lembra que desde o século XVII estudos vêm tentando relacionar o desenvolvimento cerebral com o carinho dos pais. Ele lembra que já em 1621 o médico americano Richard Button apontou que crianças negligenciadas tinham mais propensão a sofrer de depressão e ansiedade. Barbirato diz que que os trabalhos ainda são inconclusivos, mas que este é um conhecimento já intuitivo da comunidade científica.
— Nada foi de fato comprovado, porque os estudos são ainda pouco amplos, foram feitos com um número reduzido de pacientes. Mesmo assim, na prática clínica, isto já é verificado. E em palestras já costumamos ressaltar para as mães a importância de cuidar bem de seus filhos — explicou Barbirato. — A nossa preocupação é, por exemplo, com as mães usuárias de crack ou com as crianças que perderam os pais.
Segundo o psiquiatra, a criança que não for bem tratada poderá, no futuro, apresentar, além de depressão e ansiedade, dificuldade de aprendizado e de relacionamento com outras pessoas. Barbirato explica que até os 5 anos o córtex pré-frontal ainda não está totalmente formado. E a falta de estímulos, como o carinho, pode prejudicar este crescimento.
— Até esta idade, estão se formando muitas sinapses no córtex pré-frontal. E seu desenvolvimento precisa de estímulos, que vêm do afeto — afirmou.




Fonte: 

http://oglobo.globo.com/saude/o-impacto-do-amor-6580249#ixzz2AoAEPixz

Pesquisa:

http://www.telegraph.co.uk/health/children_shealth/9637682/Whats-the-difference-between-these-two-brains.html

Cedido por: Mariana Faria

domingo, 28 de outubro de 2012

AMAmentar

1 comentários
E já se foram 6 meses de Aleitamento Materno Exclusivo...




O choro, o biquinho… 
Tá na hora de mamar!
A linguinha aparece 
Os olhinhos brilham
Lambidinhas, 
Antes de sugar
Os olhos arregalam 
mandíbula trabalha 

Mama, Léozinho, mama

Me vejo no reflexo do seu olhar 
“Eu te amo, mamãe, 
Obrigado pelo leitinho” 

“Eu te amo também, Léozinho, meu anjo”

As pálpebras cerram 
“Ai, que delícia!”
Descendo pela sua garganta 
A boquinha não pára
Suspira, 
Descansa a boquinha, 
Volta a sugar, 
Descansa de novo, 
Até parar de chupar e adormecer, satisfeito, cheinho de amor! 



Adaptado- Colorida Vida






sexta-feira, 26 de outubro de 2012

1º tombo, a gente nunca esquece...

2 comentários

26/10/2012 aproximadamente ao meio dia o Sr Léo caiu do carrinho!

Como? Eu (menos mãe do momento) o deixei solto, sem o cinto, mordendo os pezinhos enquanto saia correndo para atender ao telefone, ouço um ‘ploft’ e um chorinho lógico, quando chego, ele espatifado de pescocinho erguido de bruços no chão, ainda bem que o bonitinho é bem esperto, e não machucou, mas apareceu um galinho, bem pitico acima da sombrancelha.

Resultado do tombo: mamãe de pernas moles, correndo para por gelo na testa do danadinho, e o mesmo morrendo de dar gargalhadas da minha cara e/ou do geladinho do gelo.

Conclusão pós fato: Mamãe não pode mais achar que Léo é um bebezinho pitiquinho que fica quietinho, aonde é deixado, Léo tem que usar cinto no carrinho e ficar bem protegido quando deixado no sofá.


E pensar que essa será apenas um tombinho na vida de moleque dele...




quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Relato de Mãe: Minha bebê é ecológica

0 comentários

Por Zioneth Garcia Mãe de Maria Isabel G. Skora. 






Desde que engravidei tinha certeza: eu não queria que meu bebê fosse um custo para o mundo! Deve ser porque sou Bióloga, ainda meio idealista, que acredita que uma ação repetida milhares de vezes pode fazer a diferença, mas para que isso aconteça temos que tomar uma atitude, fazer escolhas e leva-as para frente. Mesmo que pequena a atitude de usar fralda de pano com minha bebê pode ser significativa. A continuação o que eu considerei para tomar essa decisão.
A fralda descartável foi desenvolvida durante a segunda guerra mundial, para que as mulheres pudessem trabalhar enquanto os maridos estavam na guerra, mas foi oficialmente produzida comercialmente em 1947, quando o senhor George M. Schroder foi contratado pela empresa Henry Frede & Co. Para criar a fralda descartável que usa telas não tecidas. Desde então a fralda tem evoluído até chegar ao que conhecemos hoje, uma mistura de 46% de polímeros plásticos derivados do petróleo, 49,4 % de polpas como algodão o celulosa e 4,6% de outros polímeros altamente absorventes como algum gel sólido1 .
Essa útil invenção não é nada sustentável, em meia um bebê gastaria desde que nasce até que decide usar o troninho quase 4000 fraldas; isso significa um gasto de quase R$5.500,00 e uma produção de lixo de quase 2´300.000 cm3 , o equivalente a o espaço ocupado por um beliche2. São necessárias somente as fraldas sujas de mil bebês para encher o volume de uma piscina olímpica e as fraldas sujas de 5.624 milhões de bebês para ocupar uma área igual à superfície continental do planeta terra (149,67 Milhões de KM2)3 . Hoje somos 6 bilhões de pessoas no mundo, imaginam quanto espaço ocupam as fraldas de todo esse povo?
Por outro lado, o tempo de decomposição de todas as partes da fralda se estima entre 450 e 600 anos4,5, o que significa que a primeira fralda criada ainda existiria, e que as fraldas que usamos durante apenas dois anos de vida continuaram existindo por mais de meio milênio.
Um problema pouco conhecido pela opinião das mamães é a quantidade de recursos que os governos devem inverter para cuidar das fraldas sujas, somente em USA calcula se esse gasto é de 300 milhões de dólares6. Outros países, na Europa principalmente, optam pela incineração desses resíduos, o que obviamente gera outro tipo de polução, mas na grande maioria de lugares ainda se usam os aterros sanitários. Recentemente, novas propostas pretendem utilizar biotecnologia para auxiliar na decomposição das fraldas7,1, porém, esta é uma solução que ainda está longe de ser amplamente usada pelos governos do mundo todo devido aos custos de pesquisa , produção e operação.
Mas e então o que uma mamãe pode fazer para diminuir o impacto ambiental do seu bebê? Há pelo menos duas soluções, a primeira é o uso de fraldas descartáveis ecológicas, que substituem os polímeros derivados do petróleo por polímeros de amido ou celulosa similares aos das sacolas de supermercado biodegradáveis, mas essa é uma opção cara para quem mora em América do sul, já que são importados e não são fácies de achar. Quase sempre disponíveis para venta pela internet.
A outra opção é a velha fralda de tecido, mas não aquela que as avós usavam. Agora a fralda de tecido é bem mais pratica e moderna, a mamãe não tem que viver lavando fraldas, é somente trocar um absorvente que se ajusta no bolso da fralda e já. Agora até tem se incluído diferentes tecnologias de tecidos para criar fraldas mais impermeáveis e com camadas que mantêm o bumbum sempre seco. São bonitas e combinam com as roupas e a personalidade do bebê, e são muito mais econômicas (10% do valor acima são suficientes para usar fraldas de pano até o desfralde)
Há benefícios adicionais no uso das fraldas de pano que qualquer vovó vai confirmar: geram menos assaduras, não é necessário usar pomadas nem talcos, não há perigo de alergia à fralda, são mais frescas e não superaquecem o bumbum, facilitam o desfralde e técnicas de “Elimination Communication”.
Para quem acha que é trabalho demais lavar as fraldas, posso falar na minha experiência que é o mesmo trabalho de lavar as roupinhas do bebê. O cuidado é muito simples e os benefícios são muitos.



Dicas de onde comprar: 
         https://www.facebook.com/groups/437836936262288/







1. Harutoshi OGAIKaori MORITAHiroshi MORITAYukinori TAKABAYASHI, Yichun YEH.2005.The Control Processes of Waste Disposal System For Disposable Diaper Based on Biotechnology. Proceeding of 2005 CACS Automatic Control Conference. Tainan, Taiwan, Nov 1819, 2005. http://www.ie.ksu.edu.tw/data/2005%E8%87%AA%E5%8B%95%E6%8E%A7%E5%88%B6%E7%A0%94%E8%A8%8E%E6%9C%83/International/I00003i.pdf
2. Cálculos estimados com base nas informações da mamãe.
6. Opinion “The Diaper Decision: Not A Clear Issue JOYCE A. SMITH & NORMA PITTS. More important plastics issues by Paul Goettlich. Ohio State University Extension Fact Sheet”
7. Yi-Chun Yeh;   Ogawa, M;  Ogai, H.;  Sakiyama, K. 2006. Model Development of Disposable Diapers Disposal Process. Waseda Univ., Fukuoka  SICE-ICASE, 2006. International Joint Conference 18-21 Oct. 2006: 4457 – 4460.





terça-feira, 23 de outubro de 2012

Horário de verão! Como amenizar os efeitos do novo horário

0 comentários

É fato que de sábado para cá, tenhamos notado mudanças no sono dos pequenos, e aí vai algumas dicas:



Para diminuir os efeitos da mudança, é recomendado que a adaptação aos novos horários de dormir e de comer sejam graduais - é inútil impor a nova rotina de uma vez, já que o organismo da criança não vai aceitar. 

Quando o assunto é o sono, ele alerta que o ritual para dormir deve começar muito antes do que o comum. Se a criança dorme normalmente em 30 minutos, ela vai demorar mais enquanto se acostuma com o novo horário. Banhos quentes e massagens ajudam o seu filho a relaxar. Músicas calmas também. “É importante evitar alimentos pesados e estimulantes antes da hora de dormir, além de não incitar atividades físicas neste período. Eles só agitam as crianças”, encerra.
Certo que as crianças sintam mais cansaço, cansaço este é normal durante as duas primeiras semanas de horário de verão, e conta que pode haver uma irritabilidade maior entre os pequenos. É importante que os pais tentem colocar os filhos para dormir uma hora mais cedo. Cochilos à tarde também são recomendáveis para a criança passar o dia mais tranquilamente.   




quinta-feira, 18 de outubro de 2012

É muito, muito, amor...

0 comentários
''Não existe nenhuma doença mental causada por um excesso de colo, de carinho, de afagos... Não há ninguém na prisão, ou no hospício, porque recebeu colo demais , ou porque cantaram canções de ninar demais para ele, ou porque os pais deixaram que dormisse com eles. Por outro lado, há, sim, pessoas na prisão ou no hospício porque não tiveram pais, ou porque foram maltratados, abandonados ou desprezados pelos pais. E, contudo, a prevenção dessa doença mental imaginária, o estrago infantil crônico , parece ser a maior preocupação de nossa sociedade.''







Fonte:
Trecho do livro "Un regalo para toda vida" do pediatra Carlos González


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Seu bebê adora colo... Que ótimo!

0 comentários

Colo dos pais condiciona emoções do bebê

Segundo um estudo da Psicologia de Havard, os bebês que têm esse contato  com os pais, quando adultos são mais protegidos contra algumas doenças como ansiedade e depressão. O colo faz com que a criança se sinta mais segura de si, mais acolhida, e é essa segurança que vai fazer com que ela amadureça mais rápido E são muitos benefícios, mais do que se imaginava.

 Desde cedo, a sensação que ele desperta é do maior acolhimento, proporcionando conforto e segurança capazes de aliviar sofrimentos, estimular a delicadeza e a troca sincera de afeto. O carinho dos momentos em que a criança passa no colo da mãe e do pai permanece na memória para a vida a toda, mesmo que esta recordação não apareça com imagens na lembrança - trata-se de uma sensação armazenada na memória do corpo e que funciona como um analgésico poderoso para os momentos difíceis ao longo da vida.
  
Deixa o bebê tranqüilo, os bebês sentem –se em casa no colo dos pais, pois remetem a uma lembrança de sua posição e proteção intra-uterina. Ajuda a diminuir o choro e o bebê fica menos estressado, ajuda muito em bebês que nascem prematuros e precisam ficar na UTI Neo Natal, aumentando assim também vínculo com mãe/pai e bebê, o chamado método mamãe canguru, que ajuda no desenvolvimento do prematuro.

Durante a noite pode ajudar o bebê a dormir melhor.

Alivio das cólicas, a posição e a temperatura do corpo, aquece a barriga do bebê e relaxa a musculatura.

Ajuda a digestão, o bebê fica mais tranqüilo no colo, fazendo com que todas as funções fisiológicas funcionem corretamente.

Melhora o desenvolvimento dos sentidos, ouvindo batimentos cardíacos e a voz da mãe ou do pai, sentir a pele da e manter o contato visual faz com que a criança exerça seus sentidos, que se desenvolvem com mais facilidade

Diminui qualquer tipo de dor
O simples contato com a pele da mãe já pode ajudar a atenuar qualquer sensação dolorosa, dores essas por exemplo a vacina.



Ainda há também a opção do uso de sling, que proporciona todo esse bem estar e ainda possibilita a mãe ou o pai a fazer outras atividades enquanto carrega seu bebê, farei um post falando sobre o uso milagroso do sling.



segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Seis razões para esperar 6 meses para introduzir sólidos

0 comentários

1. O intestino do bebe precisa estar desenvolvido

Os intestinos são a parte do corpo que filtra, peneirando as substâncias potencialmente perigosas e permitindo os nutrientes saudaveis. Nos primeiros meses, esse sistema de filtracao é imaturo. Entre 4-6 meses o revestimento interno do intestino do bebê passa por um processo de desenvolvimento chamado fechamento, onde o revestimento se torna mais seletivo sobre o que pode ou não passar. Para prevenir que comidas potencialmente alergênicas entrem na corrente sanguinea, os intestinos maturando secretam IgA , uma proteína imunoglobulina que age como uma proteção, recobrindo os intestinos e prevenindo a passagem de alérgenos perigosos. Nos primeiros meses, a produção de IgA é baixo (embora haja muito IgA no leite materno), e é mais fácil assim para que potenciais alergenos entrem no organismo do bebê. Uma vez que moléculas de comidas entram no sangue, o sistema imune pode produzir anticorpos contra aquela comida, produzindo uma alergia ao alimento. Por volta de 6-7 meses de idade, os intestinos do bebê estao maduros e capazes de filtrar os alergenos mais ofensivos. Por isso que é tão importante esperar a introducao de alimentos sólidos particularmente se existe uma historia de alergia alimentar na familia do bebê, o que demonstra uma tendência do bebê desenvolver alergias também, e prestar muita atenção quando oferecer os alimentos aos quais outros membros da familia sao alérgicos.

2. Bebês jovens tem reflexo de propulsão da língua

Nos primeiros 4 meses, a língua tem um reflexo de propulsão para proteger os bebês contra engasgo.

Quando qualquer substância incomum é colocada na língua, automaticamente empurra para fora e não para dentro. Entre 4-6 meses de idade esse reflexo diminue gradualmente, dando ao primeiro cereal ou fruta uma chance de entrar no estômago e não ser rejeitado pelo reflexo da língua. Não somente essa parte inicial do trato digestivo (língua, boca) não está pronta para sólidos, como também a parte final (estômago e intestinos) tambem não estão "prontos".

3. O mecanismo de engolir do bebê é imaturo

Outra razão para não ter pressa na introdução de alimentos sólidos é que a língua e o mecanismo de engolir podem não estar prontos para funcionar juntos.

Dê uma colher de papinha a um bebê com menos de 4 meses, e ele vai mover essa comida ao acaso em sua boca, empurrando um pouco da papinha de volta a faringe onde é engolida, um pouco vai para espaços grandes entre as bochechas e gengivas, um pouco vai pra frente entre lábios e fora para o queixo. Ou seja, o bebê não tem um bom controle da mastigação e a direção para engolir, o que vai ser desenvolvido entre 4-5 meses de idade. Nessa fase o bebê desenvolve a habilidade de mover a comida do começo da boca para o fundo ao invés de deixar a comida flutuar em todo lugar e cuspir boa parte disso. Antes dos 4 meses de idade, o mecanismos de engolir do bebe é feito para trabalhar com sugar, mas não mastigar.

4. Bebês precisam ser capazes de sentar

Nos primeiros meses, os bebês associam comida com carinho. Alimentar-se é uma interação intima, e bebês frequentemente associam o ritual de comer com pegar no sono nos braços ou no peito da mae. A mudança de um peito suave e morno para uma colher fria e dura, pode não ser benvinda com uma boca aberta. Dar papinhas ao bebe é uma maneira mais mecânica e menos íntima de "entregar" comida. Requere que o bebê se sente num cadeirão de comer, uma habilidade que a maioria dos bebês desenvolvem por volta de 5-7 meses. Segurar um bebê na posição tradicional de mamar nao é a melhor maneira de introduzir papinhas, porque seu bebê vai achar que vai ser amamentado (ou tomar mamadeira) e vai achar que algo esta errado e vai provavelmente rejeitar a comida.

5. Bebês novos não são capazes de mastigar

Dentes raramente aparecem antes de 6-7 meses, outra evidência forte de que os bebês muito novinhos são designados para sugar e não mastigar. Nos estágios pré-dentes, entre 4-6 meses, bebês tendem a babar, e a saliva que ele baba é rica em enzimas, que ajudarão a digerir as comidas sólidas que virão em breve.

6. Bebês com mais de 6 meses gostam de imitar pais
ou quem cuida deles:

Por volta dos 6 meses de idade, bebês gostam de imitar o que veem. Eles veem você comer um legume e desfrutar com isso. Eles querem pegar um garfo e fazer o mesmo.

Traduzido por Andréia Mortesen do artigo do dr. Sears:
6 reasons to delay introducing solid food


Fonte: Grupo AMS- Simone Carvalho

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

12 de outubro- Dia das Crianças

1 comentários

No Brasil foi criado por decreto ( decreto nº4.867), um deputado teve a idéia e os parlamentares aprovaram em 1924, porém a data só passou a ser comemorada em 1960, quando uma loja de brinquedos teve aumento de suas vendas, devido a uma promoção. Daí em diante várias empresas aderiram a mesma iniciativa.
Em outros países a data não é a mesma, mas existe uma data em que foi aprovada a Declaração Universal dos Direitos da Criança, essa sendo instituída em 20 de novembro de 1959.

Pois bem, toda criança tem direitos, o primeiro deles é logo ao nascer, o direito do registro, esse é fundamental para que a criança seja reconhecida como cidadã e ter acesso a todos os serviços públicos. Ninguém paga para registrar a criança, a certidão de nascimento é gratuita a todos!

O estatuto diz que criança é a pessoa de até 12 anos incompletos, e adolescente é quem tem entre 12 e 18 anos.

  • Os primeiros 6 anos de idade são decisivos na vida de uma criança, a família tem como papel educar, proteger, garantindo preparo físico e psicológico para a vida. O conselho tutelar se encarrega de tratar desse direito, caso ele não esteja sendo exercido.

  • Trabalhar é coisa de adulto. Criança que trabalha, não estuda; se estuda, fica muito mais difícil aprender os conteúdos. Separa meninos e meninas das famílias e, nos casos mais graves, deixa as crianças expostas à exploração e ao abuso sexual. O trabalho infantil é ilegal, e viola gravemente os direitos da criança, denuncie!

  • Brincar é coisa séria, toda criança tem por direito descrito no estatuto, e reconhecido em mais de 200 países, o que garante lazer e divertimento a meninos e meninas.

  • A alfabetização deve acontecer até os oito anos, a idade coincide com a 2ª série ou 3º ano do ensino fundamental. Se a criança não aprende a ler e a escrever até os 8 anos, todo o restante do aprendizado pode ficar comprometida a família pode e deve participar da vida escolar da criança, a criança se sente mais segura e motivada a estudar.

Uma dica para quem ainda não pediu, é o projeto leia para uma criança do banco Itaú , não precisa ser cliente, a coleção traz 3 livrinhos, clica AQUI e solicite já a sua...


Agora que você Já sabe, borá aproveitar o dia das crianças para fazer a festa com os pequenos?

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Encontro Semanal - Festa Dia das Crianças

0 comentários
Lindos bebês e maravilhosas mamães se reúnem num espaço delicioso para muita troca de vivências do dia a dia, isso daria uma matéria não é?!

Mas é desse jeito mesmo, um grupo do Facebook, juntas com o mesmo intuito se reúnem semanalmente para deliciosos bate-papos. Mas falaremos desse grupo maravilhoso em um próximo post...aguardem!!


Maravilhoso mesmo é estar com vocês.

Encontro do dia das crianças – Espaço Empório da Papinha Ribeirão Preto, em 11/10/2012, pode ter certeza que ficará muito marcado.

Segue algumas fotos feitas com a minha câmera, ainda teremos muito mais...


































terça-feira, 9 de outubro de 2012

Sobre nossa rotina aos 5 meses – Rotina de muito amor!!!!

0 comentários

05h00min acorda, mexe no berço, mamãe pega, cama com papai e mamãe, mamada noturna, ambos deitadinhos, troca de lado, mais mamá, mamãe cochila, ás vezes demora pra pegar no sono, arrota, tenta acordar papai, pega no sono.

07h00min mamãe sai da cama, junto com papai, levanta, ponta de pés, café, vitamina, lanchinho, despede-se do papai, deseja dormir trinta minutinhos, deita ao lado, nem se mexe, dez minutos, bebê chora, outra rodada de mamá, sorri, acorda mamãe, troca fralda, abre janela, dá bom dia, beijinhos, carinhos, levantamos. Ou ainda: acorda junto com mamãe e papai, fica na cama, mamãe faz café, papai toma banho, pega o bebê na cama, leva pra cozinha, põe no colo, gritinhos, sorrisos, conversas, tenta pegar a xícara de café do papai, puxa toalha, quer pegar tudo o que vê, despede do papai, fralda, volta pra cama, mamadas, cochilinhos, acorda, carinhos, beijinhos, bom dia, levantamos.

09h00min vem pra sala, brinca, sorri, conversa, mamãe bloga, conversa com papai, espia o face, assiste TV, vai pro tapete no chão, conversa com brinquedos, brinca, sorri, grita. Ou: passeio no mercado, sorri, brinca, cansa e cochila.

11h00min vai pra cozinha, no carrinho, adora barulho da água da torneira, brinca, mamãe lava louça do café, grita a mamãe, mama, soneca na mamada, vai pro chão, brinca, brinca, brinca.

12h30min papai chega, enche de carinho, beijinhos e amassos, colo do papai, mesa posta, almoço na mesa, galinha pintadinha, almoçamos, papai vem pro sofá, mimos, gritos, beijos, despede do papai e mama.

14h00min geralmente cochilos, desenhos, mordedores, brinquedos, banho de balde, relax, troca xixi, brinca, vê TV, mamãe usa net, mamada, passeio no parquinho do condomínio.

17h30min papai chega, brinca, conversa, beija, mima, TV, gritos, risos.

18h30min Galinha Pintadinha, janta mamãe e papai, colo, despede papai, mama.

20h30min banho de banheira, luz de abajur, sala, sofá, mamãe na TV, bebê no peito, mamada longa, cochila, acorda, mama, dorme.

22h00min beijinho, abençoa, dá boa noite, põe no berço, papai chega, conversa, navega, namora, vai pra cama, fica namorando o filhote, dormem os três, cheinhos de amor e muito carinho.

Ás vezes ainda rola uma mamada só para matar a sede, dorme e repetimos todo o ciclo do amor...
E além de brincar bastante, dá pra se perceber o quanto Léo é apaixonado pelo mamázinho, nosso amor, expressado em forma líquida! 

sábado, 6 de outubro de 2012

Campanha de doação de Leite Materno 2012

0 comentários
Mães leiteiras, vamos ajudar nessa causa, o que é excesso para seu bebê pode salvar vidas!

Doe leite! Multiplique vidas com esperança!





Banco de leite

O Brasil possui a maior rede de Bancos de Leite Humano do mundo, reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS)

O leite humano é essencial para proteger recém-nascidos porque alimenta e protege contra diarréia, infecções respiratórias, diabetes e alergias. Para garantir o leite materno a bebês cujas mães não podem amamentar, foram criados em todo país os Bancos de Leite Humano. Eles recebem, pasteurizam e distribuem o leite para as crianças internadas em unidades neonatais. O Brasil possui a maior rede de Bancos de Leite Humano do mundo, reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Ações coordenadas, pesquisa e desenvolvimento tecnológico reduzem custos operacionais e garantem o padrão de qualidade. Em todo Brasil, os procedimentos executados nos Bancos de Leite Humano são supervisionados pela Vigilância Sanitária dos Estados e Municípios e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Todos os processos foram validados pelo Centro de Referência Nacional, instalado no Instituto Fernandes Figueira - Fundação Oswaldo Cruz-, que há duas décadas trabalha no campo da investigação científica e do desenvolvimento tecnológico.

Toda mulher saudável, com excesso de leite e que não usa medicamentos que impeçam a doação pode contribuir. O leite humano doado, após passar por processo que envolve seleção, classificação e pasteurização, é distribuído aos hospitais.

Como preparar o frasco para coletar o leite humano?

- Escolha um frasco de vidro com tampa plástica, pode ser de café solúvel ou maionese;

- Retire o rótulo e o papelão que fica sob a tampa e lave com água e sabão, enxaguando bem;

- Em seguida, coloque em uma panela o vidro e a tampa e cubra com água, deixando ferver por 15 minutos (conte o tempo a partir do início da fervura);
- Escorra a água da panela e coloque o frasco e a tampa para secar de boca para baixo em um pano limpo;

- Deixe escorrer a água do frasco e da tampa. Não enxugue;

- Você poderá usar quando estiver seco.


 Como se preparar para retirar o leite humano (ordenhar)?O leite deve ser retirado após o bebê mamar ou quando as mamas estiverem cheias. Ao retirar o leite, é importante seguir algumas recomendações:
- Escolha um lugar limpo, tranquilo e longe de animais;

- Prenda e cubra os cabelos com uma touca ou lenço;

- Evite conversar durante a retirada do leite ou utilize uma máscara ou fralda cobrindo o nariz e a boca;
- Lave as mãos e antebraços com água e sabão e seque em uma toalha limpa.


 Como guardar o leite retirado para doação?O frasco com o leite retirado deve ser armazenado no congelador ou freezer. Na próxima vez que for retirar o leite, um novo recipiente esterilizado deve ser usado. O leite pode ficar armazenado congelado por até 15 dias.



EM RIBEIRÃO PRETO
Todas as unidades de saúde dispõe de profissionais capacitados e materiais educativos para apoio e promoção do aleitamento materno e, orientações para doação de leite humano.
Maiores informações para doação de leite humano, ligar para banco de Leite Humano HCFMRP – USP
Avenida Santa Luzia, 387 - das 8:00 às 16:00h – Fone: 3610-8686 

Fonte: Elza Fiúza/Abr
Rede Governo

Hora de relaxar Parte 2... Banho de Balde

0 comentários

Leboyer em seu livro indica o banho de balde ainda nas primeiras horas após o parto, com o bebê ainda enrolado aos panos mantendo contato com a família.
O que transmite ao bebê uma transição tranquila do útero materno para a vida fora dele.

O banho de balde, ou ofurô como também é conhecido, não tem indicação de idade para inicio e nem fim, podendo ser usado em bebês de qualquer idade.
Funciona porque remete o bebê a lembranças uterinas, incluindo a posição fetal.

Ainda que existam mães que utilizam banhos de balde como banho de higiene, ele tem outros benefícios bem consideráveis na forma de relaxamento, e ajuda na hora das cólicas.

O balde deve ser anatômico, confortável para que o bebê ‘aceite’ a técnica, ainda quando bem novinhos, algumas mães preferem usarem uma fralda para auxiliar. Nesse caso de bebês pequenos a ‘pega’ cervical, através do pescoço ajuda a melhor relaxamento e conforto. Quando maiores os bebês começam a quererem ficar de pé na banheira, o que traz maior segurança o banho de balde.

Aqui iniciamos quando o Léo era recém-nascido, ainda usamos e pretendo usar por um bom tempo.

  • Preparação do Banho


Crie ambientes relaxantes, se usado como ritual do sono, a luz deve ser bem escura, se possível uma música ambiente calma.

A temperatura da água é muito importante, bem como sua quantidade, a água não deve estar muito quente, e nem ta fria, a temperatura ideal da água para banhos seja ele de balde ou banheira deve estar por volta dos 37ºC, não mais que isso.  A indicação é que a quantidade ultrapasse os ombros do bebê sentado ao fundo do balde, para que ele não sinta frio, porém pode haver uma insegurança da parte da pessoa que dá o banho, ainda mais no início, quando na há tônus muscular desenvolvido, e o pescoço é ainda molinho.
No nosso caso, no inverno o deixa todo submerso, fazendo a pega cervical, e agora já coloco bem menos para deixá-lo livre, brincando.

O uso de sabonete de espuma é desnecessário no caso de uso para relaxamento, mas hoje existem linhas específicas para esse fim, por exemplo, a linha Hora do Sono da Johnson’s. Aqui usamos o da Natura Mamãe e Bebê, que contém óleo de passiflora.

O banho pode ser dado após a aplicação das técnicas de Shantala.


  • Dicas de marcas


Existe uma marca importada que desenvolveu um assento antiderrapante e é próprio para uso de bebês até 6 meses, o Tummy Baby, veja aqui aonde comprar. Para quem quiser uma alternativa mais em conta, recomendo o da plasutil que custa bem menos que a metade do outro, confere aqui aqui

Há bebês que relaxam tanto, que acabam por dormir ali mesmo no balde, no nosso banho, sempre rola uma mãozinha esfregando os olhos no fim do banho, uma mamada e soninho delicioso.



quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Hora de relaxar... Shantala

0 comentários

Shantala, massagem milenar originária do sul da Índia , trazida ao Ocidente pelo conceituado obstetra francês Leboyer, esse o mesmo que apresentou o banho de imersão, pioneiro e apoiador de um parto tranqüilo e respeitoso. Massagem essa baseada em princípios da yoga e da medicina ayurvédica.
Sua idéia é o toque com amor, transmitido através das mãos. Fortalece vínculos afetivos, traz equilíbrio emocional, relaxa, elimina tensões, e ajuda em disfunções orgânicas, cólicas, prisão de ventre, tranquiliza o sono, sendo por tudo isso bastante preventiva. Trabalha todo o sistema linfático e circulatório da criança.

A shantala se aplica em uma série de movimentos, podendo ser executada por qualquer pessoa com um pouco de vontade e algum conhecimento em massagem ou toque, o que possibilita todos.  
Utilizando somente as duas mãos e um doação total de amor e carinho, é possível realizá-la. Sua aplicação não deve trazer dor e nem desconforto ao bebê, conduzindo sempre o bebê a uma sensação de bem estar e relaxamento.

Segue séries de manobras (do Manual da Shantala, 2005)

A massagem deve ser aplicada de manhã ou a tardinha, segundo Campadello, lembrando-se sempre que o estomago do bebê deve estar vazio para evitar regurgitações. O ambiente deve ser calmo, de preferência com som ambiente e pouca luz, propiciando o relaxamento.

O massageador deve se posicionar sentado com joelhos flexionados, e os membros inferiores do bebê deverão estar em direção ao peito do aplicador da técnica. O óleo deve ser aplicado primeiramente nas mãos, para que estejam aquecidas antes ao contato com a pele do bebê.

  • Peito (com uso do óleo)


Aplainar o peito

Coloque as duas mãos sobre o centro do peito do bebê; do centro para fora, deslize as mãos, uma para cada lateral, como se estivesse alisando as páginas de um livro.

Cruzar o peito

Coloque sua mão direita sobre o lado esquerdo do quadril do bebê e vá deslizando até o ombro direito. Termine com uma leve pressionada no ombro do bebê. Faça o mesmo modo com a mão esquerda, para alcançar o ombro esquerdo. As duas mãos vão se alternando em cruz lentamente, mantendo o ritmo e a intensidade.

  • Braço (com uso do óleo)

Tornear o bracinho com movimentos de torção

Deslizar do ombro ao pulso
Obs: posicionar o bebê em decúbito lateral (de lado)

Uma  das  mãos segura  o ombro do bebê,  como um  bracelete,  e a  outra  segura  o pulso;  vá deslizando a mão do ombro para o pulso. Quando elas se encontrarem, trocar de posição: a mão que  segurava  o pulso passa a segurar  o ombro,  recomeçando o  movimento.  As  mãos  vão
deslizando e se alternando sempre do ombro para o pulso.

Com as duas mãos juntas, segure o bracinho do bebê na altura do ombro; comece a
escorregar as duas em direção ao pulso como se estivesse torneando o bracinho. As mãos devem
se  movimentar  ao  mesmo  tempo,  mas  em  direções  opostas;  chegando  ao pulso  reinicie  o
movimento pelos ombros.
Obs: antes do outro braço, massageie a mãozinha


  • Mãos (sem reaplicar óleo)


Com seu dedo polegar, massageie do centro da palma da mãozinha, em direção a cada
dedinho. Em seguida, passe a palma das suas mãos na palma da mãozinha do bebê; se o bebê
ficar com as mãozinhas fechadas, e oferecer resistência para não abri-las, não force

  • Barriga (com uso do óleo)

Pressão em ondas com as mãos

Coloque uma das mãos na base do peito  e deslize-a em direção  ao  ventre, tocando
levemente os genitais; faça o movimento de forma intensa, como se quisesse esvaziar o ventre.
Quando uma mão termina o movimento, a outra recomeça, e assim sucessivamente.
Segure  os  pés  do bebê com  a mão  esquerda, mantendo  as  pernas  esticadas;  com  o
antebraço direito vá  deslizando do peito  até  o  ventre.  Quando  terminar,  retorne ao  peito  e
recomece o movimento.

Com  as  duas  mãos  fazer  movimentos  circulares  em  sentido horário na  região
umbilical.

  • Perna (com uso do óleo)

Deslizar da coxa ao tornozelo
Faça como  se  fez  com  os  braços  deslizando da coxa em  direção  aos  tornozelos,
terminando nos pezinhos.
Deslize em movimentos de torção, sempre da coxa para tornozelos.
Obs: antes da outra perna, massageie os pés

  • Pés (com uso de óleo)

Massagem na planta dos pés

Massageie com suavidade, pois os pés do bebê são muito sensíveis. Primeiro o seu
polegar parte do calcanhar em direção a cada dedinho; em seguida, passe a palma da sua mão na sola do pé do bebê.

  • Costas (com uso do óleo)

Duas mãos descendo e subindo

Coloque suas mãos juntas, paralelas na nuca do bebê; alterne as mãos para frente e
para trás, deslizando ao mesmo tempo da nuca em direção das nádegas e nádegas em direção à
nuca. As mãos vão e vem, descendo e subindo, mantendo o ritmo lentamente.
Sustente as  nádegas  do bebê com  a  mão direita;  a  mão  esquerda  parte  da  nuca e
desliza em direção a mão direita, que permanece estática. Recomece o movimento pela nuca.


  • Rosto (sem uso do óleo)

Contorno dos olhos

Com as pontas dos dedos, parta do centro da testa e deslize para os lados, ao longo
das sobrancelhas; reinicie sempre pelo centro  e a cada movimento avance um pouco mais,  até
contornar ao redor dos olhos.

Nos lados do nariz

Coloque os dois polegares entre os olhos, no alto do narizinho; deslize pelas laterais
até as narinas e suba novamente com mais intensidade.

Com  os  polegares,  feche  os  olhinhos  do bebê e parta  das sobrancelhas,  passando
suavemente pelos olhos, pela lateral da narina, contornando a boca e acompanhando o maxilar
inferior, em direção as orelhas.

  • Hatha Yoga

Segure as mãozinhas do bebê e cruze os bracinhos sobre o peito, fechando e abrindo;
alterne a posição dos bracinhos e faça quantas vezes achar necessário.

  • Pernas e braços

Segure um pé do bebê e a mão do lado oposto, cruzando braço e perna, de forma que
o pé se aproxime do ombro e a mão da coxa oposta. Faça o mesmo movimento com a outra perna
e braço.

  • Perna em lótus

Segure os dois pés e cruze as perninhas sobre o ventre, fechando e abrindo. Abra as
perninhas estenda-as e cruze novamente, invertendo a posição.

  • Pernas flexionadas

Segure  no  tornozelo do bebê,  flexionando os  joelhos  em  direção  ao ventre e
estendendo novamente, em movimentos contínuos.
Após a seqüência dos movimentos terminados, é o momento do banho para completar
a massagem.


Fonte: Manual da Shantala

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Crescer dói... sabia?! Picos de Crescimento e desenvolvimento do bebê

0 comentários
Ouvi dizer que crescer dói, e sabe, realmente dói... Dói e atrapalha. Descontrola.

Sono descontrolado, o bebê que até então se adaptava a uma boa rotina de sono, nessa fase descontrola tudo, dorme mal, solicita ser alimentado mais vezes, quer ficar no colo, quer ficar grudado, chora.

É algo que até não saber do que se tratava, eu duvidava dessa mudança radical, da noite pro dia, mas quando surgiu por aqui o primeiro pico de crescimento, ou salto de desenvolvimento, passei a considerar tudo o que eu li por ai...


Foram aproximadamente seis horas com o Léo pendurado no seio, uma noite de desespero, cheguei a pensar que meu leite não estava sustentando meu filhote, foi quando procurei algo pela internet e vi que eu era só mais uma mãe a passar por tal episódio. E sobrevivemos, e daí veio outro, e outro, e eu aprendi a compreender essa necessidade.

São fases que o desenvolvimento ‘bomba’, na maioria das vezes cansativa para o bebê e para a mãe. Ao final desse pico, o bebê sempre estará apto a exercer novas atividades motoras e ele quer praticá-la a todo tempo, inclusive em horários que deveria estar dormindo.

É uma fase importante, e o bebê deve ser compreendido, ser cuidado, com muita paciência, amor, e muito colo.

Tentei resumir um pouco sobre o assunto, AQUI você pode ler mais.